terça-feira, 18 de setembro de 2012

Ecoprofetas e Tião na luta pela valorização do catador

Tião Santos, o catador carioca que se tornou liderança nacional a partir da sua luta pelo fechamento do maior lixão da América Latina - o aterro de Gramacho, na Baixada Fluminense - e ficou conhecido mundialmente por sua atuação no documentário Lixo Extraordinário, esteve no último final de semana em Porto Alegre, participando da etapa local do movimento Limpa Brasil. A Associação Caminho das Águas - Projeto Ecoprofetas, acompanhou a palestra de Tião na agência central dos Correios e entregou a ele material produzido para orientação de recicladores, educadores e população em geral sobre o trabalho do catador e a separação do lixo. O Projeto Ecoprofetas é patrocinado pelo Programa Petrobras Desenvolvimento & Cidadania.
 
Tião recebe material do Irmão Antônio Cechin e do educador Juramar Vargas
A campanha Limpa Brasil visa juntar a população para limpar as maiores cidades do Brasil em ações que duram apenas 1 dia, além de incentivar a reflexão para a mudança de hábito de jogar lixo fora do lixo. Com a participação de artistas como Chico Buarque, Milton Nascimento e Marília Pêra, a campanha incentiva os moradores das grandes cidades a serem catadores por um dia buscando retirar o máximo de lixo das ruas e provocar mudanças de atitude na sociedade.
 

Objetivos semelhantes aos da Associação Caminho das Águas - Projeto Ecoprofetas, que visa promover a organização dos catadores, seu protagonismo, capacitando-os para serem multiplicadores junto a seus coletivos de trabalho na Região Metropolitana. Ambos defendem a construção de um mundo econômico e ambientalmente sustentável.

Tião Santos falou de sua vida, de como se tornou uma liderança a partir do momento em que precisou trabalhar com a mãe no lixão, aos 11 anos de idade, após o pai perder o emprego de estivador no porto do Rio de Janeiro. Sétimo de um total de oito filhos, auxiliou os irmãos mais velhos até alcançar a maioridade. Naquele momento, tratou de criar uma associação em defesa dos trabalhadores, que precisavam ser removidos e exigiram pagamentos por serviços ambientais prestados à sociedade.