terça-feira, 27 de novembro de 2012

Ecoprofetas entrega uniformes de trabalho a catadores e recicladores

Todos os 362 catadores dos galpões de reciclagem que integram a rede do Projeto Ecoprofetas já receberam uniformes, constituído por jaleco e calça. O equipamento irá contribuir para a melhoria das condições de trabalho nas 14 unidades de coleta seletiva e coletivos (galpões) da Grande Porto Alegre e Vale do Sinos, que abrangem nove (9) municípios. Os catadores e recicladores irão receber, ainda, Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), constituído por luvas e botas. O fornecimento deste material está entre os objetivos do Projeto Ecoprofetas, desenvolvido pela Associação Caminho das Águas, com de patrocínio do Programa Petrobras Desenvolvimento & Cidadania.
O projeto visa, também, o incentivo à transformação dos coletivos e associações em cooperativas, para melhor gestão dos espaços e adaptação à Lei Nacional dos Resíduos Sólidos, promulgada em 2010.
Cooperativa Renascer, de Canoas. Abaixo, Associação Ilha dos Marinheiros e Coolabore (NH)

Fazem parte da rede os seguintes coletivos:
Associação dos Catadores de Material de Porto Alegre - Ilha Grande dos Marinheiros (20 catadores); Associação Ecológica Ruben Berta (28); Coletivo de Trabalho do Aterro Zona Norte (ex-lixão de Porto Alegre - 25), Associação Anjos da Ecologia (18) e Associação Reciclando Pela Vida (40). Todos de Porto Alegre.
Coletivo em formação - Guaíba (20); Cooperativa de Recicladores de Dois Irmãos - Dois Irmãos (32); Cooperativa de Construção Civil e Limpeza Urbana Ltda. (Coolabore) - Campo Bom (34); Coolabore - filial Novo Hamburgo (50); Cooperativa Renascer (Guajuviras) - Canoas (22); Cooperativa Sol Nascente - Canoas (14); Associação de Recicladores Nova Conquista - São Leopoldo (20); Associação dos Catadores de Alvorada (ACATA) - Alvorada (15); Cooprevive (coletivo em formação) - Sapucaia do Sul (24).

Dignidade e respeito
O Ecoprofetas busca promover a organização e o protagonismo dos catadores, capacitando-os para serem multiplicadores junto aos seus coletivos na Região Metropolitana, bem como a melhoria de suas condições de trabalho e renda. O objetivo maior é a construção de um mundo econômico e ambientalmente sustentável. O trabalho pedagógico visa também mostrar à sociedade que o lixo pode gerar renda e, ao ser reciclado, reduzir a extração desses materiais da natureza com o menor consumo de água e energia para produzi-los. Um gesto simples de separação dignifica o material, que deixa de ser lixo, e o trabalho dos catadores, que fica mais fácil e mais limpo.
Coordenadora Pedagógica do Projeto Ecoprofetas, Irmã Alda Moura coordenou a entrega do material, junto dos dois educadores que assessoram cada galpão de reciclagem:

-Os catadores devem se apropriar dos objetivos do projeto e buscar maior conhecimento de causa, saber de seus direitos, da importância do trabalho coletivo, frisou. "Vocês merecem dignidade e respeito, embora trabalhando num galpão de reciclagem, são pessoas que estão exercendo uma profissão, buscando o sustento de suas famílias, melhorias de condições de trabalho e qualidade de vida", lembrou.